Arquivo da tag: mesada

7 dicas para administrar a mesada dos filhos

7 dicas para administrar a mesada dos filhos

7 dicas para administrar a mesada dos filhos

Marcelo Guterman

Dar mesada aos filhos é uma forma muito inteligente de educá-los financeiramente. A mesada permite que eles comecem a entrar no maravilhoso mundo do consumo pela porta correta, ou seja, sabendo que o orçamento é limitado. Mas algumas armadilhas devem ser evitadas, para que a experiência não seja frustrante para ambos os lados (pais e filhos).

1. Deixe bastante claro o que é abrangido e o que não é abrangido pela mesada: lanche da escola, passeios, gibis, CDs, créditos de celulares, etc, etc, etc. Deve haver um “contrato” entre pais e filhos determinando o que deve ser pago com a mesada, e o que continua sendo pago pelos pais. Não há uma receita única, mas quanto mais velho o filho, mais coisas e atividades deveriam ser abrangidas pela mesada. Claro, é sempre muito difícil determinar tudo a priori. Os casos não especificados devem ser decididos caso a caso com cuidado, pois servirão de jurisprudência dali em diante.

2. O valor da mesada dependerá do item 1: quanto mais abrangência, maior deve ser. Mas não fique com peso na consciência se o cobertor do filho ficou curto, e eles começam a reclamar de que a mesada é pequena. A criança ou jovem devem começar o quanto antes a “praticar” o jogo do salário que não chega ao fim do mês.

3. Em hipótese alguma adiante mesada. Eles devem saber exercitar a paciência, que lhes será útil ao longo da vida, e conseguir poupar para comprar algo mais caro. Adiantar a mesada é dar crédito, e acostumá-los com isso desde cedo pode ser muito perigoso.

4. Para os jovens que reclamam do tamanho da mesada, incentive-os a fazerem alguma coisa para ganhar mais dinheiro: prestar algum serviço, dar aulas particulares, fazer bicos em lojas. Começarão a notar, na prática, o quão suado é ganhar dinheiro.

5. Deixe que eles gastem o dinheiro da mesada como eles bem entendem. Às vezes vemos que eles vão gastar o dinheiro com bobagem, e temos a tentação de interferir. Enquanto não envolver algo que pode ser realmente muito prejudicial para as suas vidas (drogas, bebidas) devemos deixar os filhos errarem, para que aprendam com seus próprios erros. A tarefa dos pais é, depois, ajudar o filho a raciocinar e concluir onde foi o erro.

6. Não gastar nunca nada é tão ruim quanto gastar tudo de uma vez. Há crianças que simplesmente não gastam o dinheiro com nada. É preciso estimulá-las a gastar o dinheiro com coisas boas, de que elas gostam. Um passeio em uma livraria, por exemplo, pode ser um bom lugar para gastar uma parte do dinheiro acumulado.

7. Seja pontual no pagamento. Lembre-se, trata-se de um contrato, e que deve ser respeitado por ambas as partes, sob pena de perda de credibilidade.

Fonte: www.portaldafamilia.org